23 de fevereiro, 2024

Atrizes na faixa dos 50 e 60 anos contam como lidam com o envelhecimento e encabeçam a luta contra o etarismo

Foto: Reprodução

“A primeira vez em que ouvi um ‘senhora’ devia ter meus 42 anos. Tremi. Me olhei no espelho. Pensei: ‘Que diabos está acontecendo?’. A primeira vez em que um adulto me chamou de ‘tia’, tinha 50 anos. Eu ri. Quase dez anos se passaram entre uma situação e outra. Eu já fui esse adulto. Já chamei alguém de senhora em ‘respeito’. Mas, ao envelhecer, a gente percebe que quer respeito, sim, mas também ser vista como um alguém que ainda tem muito a oferecer.

O etarismo é a palavra da vez. Trocando em miúdos, no popular, significa o preconceito contra qualquer pessoa baseado em sua idade. Mas nós, mulheres, estamos no topo dessa cadeia rudimentar. É para gente que os olhares tortos são enviados. Não existe glamour em envelhecer. É uma DROGA! Acredite em mim. Principalmente quando vem precedido de chavões e clichês, como se não nos houvesse outra alternativa a não ser nos privarmos. Nos trancarmos, ficando no escuro, à margem, para que ninguém tenha que lidar com nossas rugas, osteoporose e cabelos brancos além de nós mesmas. É como se nós, as ‘tias’, não tivéssemos direito ao prazer.”

Continue lendo aqui

Fonte: Extra

Compartilhe

Jethro Tull: Minstrel in the Gallery tinha tudo pra dar errado, mas deu muito certo!
Carlinhos Maia manda um "não sou antipático"
Xuxa abraça a causa "calabreso"?
A fenda da Geysy Arruda arrasou!
Olha a cobra, Massafera!
O que justifica a popularidade de figuras como Pablo Marçal e outros "coaches"?