17 de abril, 2024

Jacques Hétu morreu tres semanas antes da estreia da sua grande obra

Se você pensa que música clássica é música antiga e apenas para velhos, recomendo abandonar este conceito mais raso que sopa em pires e apreciar compositores e obras mais recentes, como a incrível Sinfonia n.º 5, do canadense Jacques Hétu, uma obra para orquestra escrita em 1997.

A Sinfonia nº 5 em quatro movimentos tem momentos de beleza, especialmente no começo. Ok, vai lá… lembra uma obra de Dmitri Shostakovich? Bem, essa era a referência do canadense.

Vale lembrar que Jacques Hétu, natural de Quebec, faleceu dia 9 de fevereiro, três semanas antes da estreia desta que foi a sua última grande obra.

Mas pelo menos ele sabia que sua Sinfonia n.º 5 seria executada, com todas as honras, durante o Festival anual de Novas Criações da Orquestra Sinfônica de Toronto.

Tal qual a Nona de Beethoven, a Quinta de Hétu tem no último movimento um final coral. Ou seja, aqui os três primeiros movimentos retratam Paris antes, durante e depois da invasão nazista em 1940, enquanto o quarto movimento é o poema de Paul Éluard, “Liberté”, musicado e com coral.

Detalhe: este poema, na segunda guerra, foi impresso em folhetos e jogados por aviões ingleses na França ocupada para reforçar o moral da resistência francesa, em 1942.

 

Ouça o programa Conversa de Câmara e descubra todos os detalhes desta maravilha!

Sobre o colunista

Aroldo Glomb

Jornalista formado. Podcaster. Conhecido no meio da música como “Dr. Rock”.

Compartilhe

outros conteúdos

Precisamos falar sobre Hot Space, do Queen, não é mesmo?
Mike Oldfield, com 19 anos, desbancou todo mundo em 1973 com Tubular Bells
Vale a pena ouvir Exercices (1972), do Nazareth?
Lay Down, Stay Down: uma história de desejo sob a ótica do Deep Purple
Vinil, CD ou Streaming: é a desordem que atrapalha a felicidade musical
Quem é o “tolo pela cidade” do Foghat?