22 de maio, 2024

Precisamos falar sobre Hot Space, do Queen, não é mesmo?

Vamos falar sobre Hot Space? Claro que vamos, amigos e amigas!

Mas vale lembrar que já temos um vídeo sobre este disco – aproveita e se inscrever lá:

E temo um programa inteiro sobre o Hot Space, ouvindo e reagindo ao disco inteiro. Podcast de primeira, escuta ai:

Faltava o texto, né? Bora então!

A trilha sonora do Queen para Flash Gordon despertou muita controvérsia com sua base de fãs quando foi lançada, muitas pessoas se perguntando para onde foi a política de “Sem Sintetizadores” da banda (embora, para ser justo, eles começaram essa tendência com seu oitavo disco, The Game) .

A pompa e o humor exagerado habituais da banda foram substituídos por arranjos de teclado sombrios e taciturnos e uma nítida falta da voz de Freddie Mercury. Naturalmente houve uma reação negativa por parte dos seguidores da banda, mas o pior ainda estava por vir… como Hot Space de 1982 acabaria por provar. Sim, de fato, este é o álbum que trouxe a influência dançante do Queen (originalmente encontrada no The Game) para o próximo nível; e quando digo próximo nível, estou falando sério.

Este álbum é quase inteiramente repleto de arranjos de synthpop dos anos 80, muitas gravações de bateria eletrônica e muito mais foco no baixo e nos vocais. Muitos fãs acham que este foi o álbum que representou o pior do Queen, o álbum até mesmo sendo incluído na lista da Q Magazine de “Álbuns onde grandes artistas de rock perderam o enredo”.

Então, uau, isso deve ser realmente horrível, certo? Bem, não exatamente.

Me incomoda o som do baixo sintetizado e da bateria eletrônica? Claro, mas era o que tinha para o disco. Ideias precisam ser testadas, né?

Embora este álbum possa soar um pouco desajeitado e inconsistente, há ótimas músicas e momentos suficientes para equilibrar os aspectos negativos do álbum. “Staying Power” é uma abertura divertida que dá o tom descolado para o resto do material com influência dançante do álbum, mas músicas como “Back Chat” e “Cool Cat” realmente fazem você se perguntar o que a banda estava pensando.

O primeiro tem uma vibração muito “disco dos anos 70”, soando como algo do meio de carreira de Michael Jackson, enquanto o último tem um ritmo lento e cheio de alma que poderia ter garantido à banda uma aparição no show “Soul Train” naquela época.

No entanto, a maior estranheza do disco seria o single de sucesso “Body Language”. Um número muito minimalista para os padrões do Queen, a música combina uma linha de baixo obscura com gritos e “gemidos sedutores” de Freddie com  alguns efeitos bizarros de sintetizador. Puro entretenimento, mas estranho.

Músicas como essas são compensadas por baladas e “rocks” mais tradicionais do Queen! “Put Out the Fire” é um número de hard rock anti-armas de fogo muito divertido (mesmo beirando o heavy metal) que inclui até um solo de guitarra de um embriagado Brian May!

É preciso entrar em muitos detalhes sobre “Under Pressure”? A música é um clássico!  A atuação convidada de David Bowie é maravilhosa, a linha de baixo rápida é uma ótima maneira de apresentar a peça, o refrão é realmente climático e bem arranjado.

Não posso deixar passar batido que “Action This Day” é uma espécie de mistura de dança e rock dos anos 70 do Queen reunidos em uma única música. Os versos peculiares soam como se pudessem estar em um disco do Devo (um dos melhores, veja bem), mas o refrão parece que poderia ter estado em A Day at the Races ou News of the World.

Então, o que significa toda essa análise? Algumas músicas fantásticas, algumas músicas boas e algumas músicas muito medíocres. Músicas como “Under Pressure” e “Put Out the Fire” trazem o ouvinte de volta aos anos 70 da banda, mas as músicas inspiradas na dança são bastante imprevisíveis.

Honestamente, é bem divertido o álbum – mas como um “trabalho” tradicional do Queen, é bastante fraco e tem muitas falhas.

Las Palabras de Amor é uma boa homenagem aos fãs latino-americanos, enquanto Life Is Real é uma das melhores homenagens a John Lennon. Ou seja, tem coisa aqui para ser garimpada!

Hot Space estava à frente de seu tempo. A mistura de rock, funk e disco era algo raramente ou nunca ouvido até então e este é, sem medo de errar, o disco mais experimental e ousado do Queen!

Aroldo Antonio Glomb Junior é jornalista e Athleticano

Sobre o colunista

Aroldo Glomb

Jornalista formado. Podcaster. Conhecido no meio da música como “Dr. Rock”.

Compartilhe

outros conteúdos

Mike Oldfield, com 19 anos, desbancou todo mundo em 1973 com Tubular Bells
Vale a pena ouvir Exercices (1972), do Nazareth?
Lay Down, Stay Down: uma história de desejo sob a ótica do Deep Purple
Vinil, CD ou Streaming: é a desordem que atrapalha a felicidade musical
Quem é o “tolo pela cidade” do Foghat?
Hora de me render às “Grandes Bolas” do AC/DC