22 de fevereiro, 2024

O desfile de bom gosto de Rita Lee com Build Up

O sucesso não era novidade para Rita Lee. Em 1970, a roqueira brasileira já acumulava três discos com Os Mutantes e inúmeras apresentações em todo o Brasil – além das apresentações na TV que mostraram “a cara” da banda para quem quisesse ver. Então, o que motivou a cantora a gravar um disco solo, afinal de contas? A resposta é simples: estresse interno no grupo e relações abaladas.

Mesmo assim, Build Up  contou com várias parcerias de seu companheiro de Mutantes (e então esposo) Arnaldo Baptista e diversas participações especiais dos próprios Mutantes e do guitarrista  Lanny Gordin. Lanny, aliás, só participou, pois Sérgio Dias, irmão de Arnaldo e guitarrista dos Mutantes, se recusou a gravar o disco.

Se as coisas andavam mal entre os Mutantes antes deste disco, o panorama mudou completamente e a paz voltou. Ou seja, a separação dos Mutantes foi “cancelada”, por assim dizer – e por isso Arnaldo esteve envolvido neste disco de estreia de Rita.

O disco nasceu para servir como base para o Build Up Eletronic Fashion Show, basicamente um espetáculo que mesclava música, teatro e moda criado pela empresa Rhodia visando a 13ª Feira Nacional da Indústria Têxtil.  

Aliás, o disco foi muito bem mesmo com destaque para:

José (repaginando a versão de Nara Leão para Joseph, criada pelo compositor egípcio/francês Georges Moustaki)

O abre-alas Sucesso, Aqui Vou Eu, que inaugura o disco com ares de um verdadeiro standart de pop/jazz

O espetacular tango Prisioneira do Amor

  A versão impecável e improvável para  And I Love Her, dos Beatles.  

  A ideia de André Midani, presidente da gravadora Polygram, era que este disco distanciasse Rita da psicodelia dos Mutantes e dos experimentalismos da tropicália, mas tanto a presença de Arnaldo quanto do produtor Manoel Barenbeim e do maestro Rogério Duprat responsáveis pelo movimento brasileiro em questão, trouxeram Rita para o mundo que ela estava habituada a cantar e tocar.

Este é um disco pouco falando, mas que vale a pena ouvir. Duvida? Escute então Macarrão com Linguiça e Pimentão e descubra se estou errado.

Aroldo Antonio Glomb Junior é jornalista e Athletica

Sobre o colunista

Aroldo Glomb

Jornalista formado. Podcaster. Conhecido no meio da música como “Dr. Rock”.

Compartilhe

outros conteúdos

Califórnia Jam 74 caminha para os 50 anos de história
KISS antes do grandioso Alive: o que você precisa saber?
Por que você deveria começar a colecionar discos de vinil
The End foi uma despedida digna dos Beatles
Os anos 70 salvaram o “fim de feira” do que vivia o rock no final dos anos 60
Disco Music nunca foi um gênero musical verdadeiro e não deveria nem ser considerado como tal