22 de fevereiro, 2024

Os anos 70 salvaram o “fim de feira” do que vivia o rock no final dos anos 60

Não é segredo que o rock vai se moldando com o passar do tempo, mas tivemos um momento da história recente que uma repaginação foi necessária. Quando a década de 70 chegou, havia uma certa desconfiança. Muita coisa mudou no rock e o impacto foi sentido tanto pela indústria quanto pelo público:

Sente o drama:

  • The Beatles já eram história
  • Woodstock e Altamont Speedway Free Festival fecharam a era dos grandes festivais, sendo que o segundo, que era basicamente um show dos Rolling Stones com diversas artistas, novidades e os Hells Angels como “segurança” foi uma tragédia total. Tem ali uma foto pra você ver…
  • Hendrix, Morrison, Joplin… a lista de ícones falecidos era encabeçada por estes três nomes
  • Cream, um super trio, tinha acabado de vez

Seria o fim do rock? Ou mais uma barreira apenas? Pessoal, os anos 70 tinham tudo para começar frio e seguir congelando ao longo dos anos, mas algo aconteceu e por isso essa foi uma década incrível para o rock e, como não, para o mundo da música pop.

Podemos começar com a santíssima trindade do rock pesado: Led Zeppelin, Deep Puple e Led Zeppelin! Foi o surgimento (ok, tinha aparecido um pouco antes) e consolidação do hard rock e heavy metal. O declínio do som hippie, da paz e do amor, arrebentou as portas para gêneros guiados por guitarras distorcidas, baterias pesadas, vocal bem potentes, forte pegada em temas sobre sexo, porradaria, drogas, bebedeiras e rebeldia como nunca havia acontecido.

Da trindade, o Led Zeppelin misturou rock com blues, folk e música celta e da selvageria nas estradas, enquanto Black Sabbath ganhou notoriedade com um som pesado, afinações mais baixas e riffs e mais riffs soterrando os ouvidos de quem comprava seus discos. O Deep Purple? Ora, essa era da “banda do teclado”, do hammond envenenado, que passou a ocupar lugar de destaque ao lao da guitarra – sem falar que misturava elementos de música clássica, um Bach com guitarra, solos ensurdecedores e jams intermináveis.

Aliás, falamos sobre essas três bandas no Antigas Novidades:

Do outro lado da moeda veio o rock progressivo! Era rock nada convencional, com música clássica (ELP), jazz (King Crimson), música eletrônica (Kraftwerk) e outros elementos diferentes incorporados ao som. O mundo conhecia músicas longas, complexas e conceituais pensadas em falar sobre temas filosóficos, questões sociais ou fantasiosas.

Sim, o Pink Floyd criou álbuns lendários como The Dark Side of the Moon, Whish You Were Here, entre outros. Embora frequentemente associados ao rock psicodélico, o que considero mais acertado, eles também tiveram um papel notável no rock progressivo E temos gigantes como Yes e Genesis que, ai, sim, criaram carreiras dignas com discos avassaladores, consolidando este gênero. Isso que tem ainda bandas como Gentle Giant e Van der Graaf Generator, e mais um universo inteiro!

E todos aqui foram loooonge demais e que ótimo que foi assim!

Quer mais exemplos sonoros duradouros dos anos 70? Escute glam rock, estilo focado na estética, na moda, no exagero, nas encenações sobre o palco e no glitter para emoldurar o som animado e pesado. Mark Bolan, David Bowie, Elton John… a lista é sem fim!

David Bowie, por exemplo, criou vários personagens e alter egos, sendo os mais famosos Ziggy Stardust, Aladdin Sane e Thin White Duke. Exagero no som, no visual e na qualidade!

Quer mais?

  • O Queen ABUSOU da mistura experimental de rock com ópera, gospel e funk.
  • O sul dos Estados Unidos trouxeram o southern rock, com muito peso, guitarras incríveis e o som calcado em muito blues e, principalmente, no country. Lynyrd Skynyrd mandou lembranças
  • O punk trouxe o rock para o básico de novo, com Ramones e companhia e o som agressivo e mais, digamos, artesanal. Do it yourself!

Bem, teve muito mais, mas aqui está o principal, os estilos que transforaram o mundo da música e não deixaram que o fim dos anos 60 sepultassem o rock. O que veio nos anos 70 foi, inacreditavelmente, espetacular.

Aroldo Antonio Glomb Junior é jornalista e Athleticano

Sobre o colunista

Aroldo Glomb

Jornalista formado. Podcaster. Conhecido no meio da música como “Dr. Rock”.

Compartilhe

outros conteúdos

Califórnia Jam 74 caminha para os 50 anos de história
KISS antes do grandioso Alive: o que você precisa saber?
Por que você deveria começar a colecionar discos de vinil
The End foi uma despedida digna dos Beatles
Disco Music nunca foi um gênero musical verdadeiro e não deveria nem ser considerado como tal
Mestre Jonas: uma canção que desafia o conformismo e celebra a liberdade