14 de abril, 2024

Rachmaninov, obrigado pelas variações do Paganini

O 24º Capricho de Paganini para violino é uma das obras mais populares da música clássica. Franz Liszt transcreveu a obra para piano, e Brahms também escreveu variações sobre a melodia para piano solo. Mas hoje vamos falar da Rapsódia de Rachmaninov para piano e orquestra, que leva a criatividade e o alcance dessa fascinação um passo adiante, criando 24 variações sobre o 24º Capricho, algumas das quais têm pouca semelhança com o tema original.

O que tornou esta obra tão popular? Em primeiro lugar, Paganini era um violinista virtuoso que era conhecido em toda a Europa por sua técnica e habilidade. Suas composições eram desafiadoras e virtuosísticas, e o 24º Capricho é um dos mais difíceis de tocar. No início da vida de Rachmaninov, as obras para instrumentos solo de compositores virtuosos como Paganini eram populares, pois eram fáceis de executar e eram frequentemente publicadas em edições populares.

O 24º Capricho de Paganini também tem uma estrutura tonal que é propícia à variação. Rachmaninov não apenas explora essa estrutura, mas a apresenta logo no início da peça. Na maioria das obras com tema e variações, o tema é apresentado primeiro e, em seguida, o compositor cria variações sobre esse tema. A Rapsódia de Rachmaninov subverte essa convenção apresentando o esqueleto do tema logo no início como a primeira variação, com as cordas tocando apenas as notas principais da melodia.

Confira este programa que fizemos no Conversa de Câmara!

Sobre o colunista

Aroldo Glomb

Jornalista formado. Podcaster. Conhecido no meio da música como “Dr. Rock”.

Compartilhe

outros conteúdos

Mike Oldfield, com 19 anos, desbancou todo mundo em 1973 com Tubular Bells
Vale a pena ouvir Exercices (1972), do Nazareth?
Lay Down, Stay Down: uma história de desejo sob a ótica do Deep Purple
Vinil, CD ou Streaming: é a desordem que atrapalha a felicidade musical
Quem é o “tolo pela cidade” do Foghat?
Hora de me render às “Grandes Bolas” do AC/DC